quarta-feira, 2 de março de 2011

Falsos Amigos

Tenho amigos que pensam confundir-me
igualando a loucura à minha ânsia.
Pobrezitos! que tentam destruir-me
havendo de permeio esta distância.

Eu tenho pena de não ser um deles,
ao menos uma vez, por uns momentos.
Gostava de morrer um dia neles,
ressuscitando nos seus pensamentos.·
Pintar-lhes-ei um dia o rosto a sério,
com talento nascido de neurose
que faça vê-los nus no baptistério
onde lavam a alma da esclerose?·
Toda a gente rirá desse retrato,
e haverá certamente pró comprar
um novo-rico que lhe admire o fato
e o pendure na sala de jantar.
Hei-de pôr-lhes uns olhos que reluzam,
mas vazios nas órbitas repletas,
profanação nos dedos que se cruzam,
num indigno repouso de poetas.·
Ah, são eles que procuram destruir-me,
criticando-me as faces controversas!
Mas apenas conseguem reunir-me
nas mil forças que tenho bem dispersas

Sem comentários:

Enviar um comentário